New here? Register. ×
×

Audiência pública debate segurança alimentar e a operação Carne Fraca

09maio2017

Os reflexos em Minas Gerais da Operação Carne Fraca, realizada pela Polícia Federal em frigoríficos do País foram discutidos em audiência pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). O deputado Inácio Franco foi um dos autores do requerimento que motivou a reunião conjunta das Comissões de Agropecuária e Agroindústria e de Defesa do Consumidor e do Contribuinte, que ocorreu em 20 de abril.

O parlamentar foi enfático ao defender a segurança alimentar dos produtos de origem animal consumidos pelos mineiros, destacando o árduo trabalho dos produtores rurais, que visam qualidade e preços competitivos. “Precisamos ter muito cuidado com a divulgação de denúncias como aquelas levantadas pela Operação Carne Fraca que continuam prejudicando produtores e empresários de Pará de Minas e de municípios mineiros com a economia centrada no agronegócio”.

O segmento do agronegócio é responsável por 45% do saldo da balança comercial de Minas. Só a cadeia produtiva da carne movimenta R$ 20 bilhões anuais. Cerca de US$ 800 milhões de dólares por ano são referentes à exportação. Os números foram apresentados pelo secretário de Estado de Agricultura e Agropecuária, Pedro Leitão.

O representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Arantes Pereira, garantiu que o Brasil tem a melhor e mais barata carne do mundo. Mesma linha seguiu o coordenador de Vigilância Sanitária e Ambiental da Fundação Ezequiel Dias, Kleber Baptista, ao defender que as amostras colhidas determinam a alta confiabilidade da carne mineira. O baixo teor de reprovação, menos de 10%, é referente à rotulagem e teor de sódio.

Inácio Franco e os demais convidados dos órgãos públicos defenderam que o importante agora é trabalhar para recuperar a credibilidade do produto mineiro no mercado internacional. Entraram no debate também questões relacionadas às melhorias necessárias aos processos de inspeção e fiscalização de produtos de origem animal no Estado.

 

Compartilhe:

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *